Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis
CRISTO É A VERDADE

Translate this Page

Rating: 3.0/5 (2997 votos)



ONLINE
1





http://www.comcms.com.br/

HERESIAS HISTORICAS

 

Heresias Históricas

 
I Parte

No decorrer da história do cristianismo, surgiram várias correntes filosóficas e religiosas que tentaram inventar um Cristo totalmente diferente ou estranho ao que nos ensina a Bíblia Sagrada. Apresentam um falso 'cristo' que não pode satisfazer ou cumprir a obra que Jesus Cristo cumpriu, que foi o de trazer salvação para todos àqueles que creem em seu bendito nome. Com o intuito de apresentar de forma resumida, porém concisa, apresentaremos algumas dessas correntes filosóficas e religiosas com os seus principais ensinos com base no livro "Apologia da Divindade de Cristo" de João Weronka.
 
Segundo o autor, para que possamos identificar se qualquer grupo religioso foge da doutrina cristã, que tem o seu alicerce nas Sagradas Escrituras, é preciso saber como esse grupo enxerga a Jesus Cristo. Tais grupos inventam e reinventam um novo 'cristo' ao seu bel-prazer tentando adaptar sua corrente de pensamentos na Bíblia, porém nunca são bem sucedidos quando confrontados por ela. Cada uma dessas heresias antigas tem uma interpretação da Pessoa de Cristo, por exemplo:
  • para alguns Jesus pode ser um médium ou um mestre iluminado;
  • um simples profeta;
  • um anjo qualquer;
  • um 'deus' de segunda categoria ou um ícone;
  • um líder iluminado;
  • um avatar de uma era (muito presente nas religiões orientais e também presente no hinduísmo);
  • um espírito puro e nada mais;
  • um mestre de alta moral;
  • um ser que recebeu o 'cristo cósmico'. e por aí vai...
O Jesus da Bíblia é Deus e vai muito além do que ensinam essas correntes de pensamentos. Ele mesmo afirmou isso. Jesus veio à terra, viveu como homem, esvaziou-se de sua glória, não pecou, morreu na cruz, nos livrou do pecado, ressuscitou, está nos céus e por fim voltará para buscar a sua amada Igreja. Ele é o grande Eu Sou, venceu a morte, diferentemente dos outros mestres do passado que fundaram tantas religiões, iluminados e gurus que morreram e continuam mortos. Jesus é superior, é Deus. Champlin assim o definiu:
“Qualquer tentativa de expor de modo breve e completo a
identificação, o ministério e os ensino de Jesus, deve ser vista como
algo semelhante à tentativa de pôr o oceano dentro de uma xícara. A
grandeza de Jesus, sua subseqüente vastíssima influência, e nosso
conhecimento relativamente exíguo de sua vida, ministério e ensinos,
de pronto nos colocam em um dilema, porquanto qualquer esforço
terá de ficar muito aquém do alvo de uma caracterização adequada
de sua pessoa.”
Muitos foram os grupos que tentaram criar um Cristo diferente durante a história do cristianismo, porém, todos foram devidamente respondidos pela igreja, que pela graça trouxe a refutação às doutrinas heterodoxas que tentavam se implantar no meio dos cristãos, através dos concílios. Vejamos como isso ocorreu e o grupo que foi refutado:

Arianismo

Este movimento possui este nome pois foi liderado por Ário (250-336 d.C.), que fora presbítero de Alexandria entre o fim do século 3 e inicio do século 4 depois de Cristo. Ário não admitia que Jesus era Deus, o Verbo encarnado. Ele acreditava que isso implicaria na aproximação entre o cristianismo e o
paganismo, já que as religiões pagãs creem na existência de diversos deuses.

Ário acreditava que Jesus teve um começo, ou seja, que foi criado por Deus. Sua idéia é que houve tempo em que Jesus não existiu, ou seja, que este fora criado por Deus, isso implica que Jesus não é eterno. O Arianismo teve suas doutrinas refutadas quando Ário foi confrontado por Atanásio (296-373 d.C.), num concílio convocado pelo imperador Constantino, que contou com a presença de mais de 300 bispos. Este evento ocorreu na cidade de Nicéia, em 325, e deste concílio surgiu o Credo Niceno, no entanto, a cristologia ariana permaneceu, e nos dias de hoje está presente em grupos como Cristadelfianismo, Testemunhas de Jeová e com alguns traços no Mormonismo.
 
Apolinarianismo


Devido a Apolinário (310-390 d.C.), que fora Bispo de Laodicéia no fim do século 4, defender uma cristologia heterodoxa, esta recebeu seu nome. Enquanto o Arianismo defendia que Cristo não era Deus, o Apolinarianismo ia contra o ensino que Cristo possui a natureza humana, alegando que Cristo era apenas Deus, indo contra a doutrina da encarnação, onde o Verbo se fez carne e habitou entre nós, que está muito evidente no capítulo 1 do Evangelho de João.

O ponto crítico desta corrente girava em torno do conceito da mente de Cristo. Segundo Apolinário, Cristo possuía mente (ou espírito) divino, o que o impossibilitaria de passar por tentações genuínas. Segundo Hebreus 2:14-17, Jesus participou de humanidade como a nossa, para que houvesse o completo efeito da expiação. Os ensinos do apolinarianismo também foram declarados heréticos, através do Concílio de Constantinopla (381), onde os teólogos Basílio – “O Grande”, Gregório – Bispo de Constantinopla, e
Gregório – Bispo de Nissa, também conhecidos como Pais Capadócios, o rejeitaram de forma veemente. Apesar de Apolinário ter levantado certo grupo de discípulos, seus ensinos não permaneceram e seu movimento se desfez.
 

Nestorianismo

Esta doutrina está baseada nos ensinos de Nestório, que fora um pregador famoso em Antioquia, e desde 428 d.C., Bispo de Constantinopla. Seus ensinos foram refutados no Concílio de Éfeso, em 431. O Nestorianismo ensinava que a pessoa divina de Cristo e sua pessoa humana estavam divididas e com vontades divididas, mas residindo no mesmo corpo. Cirilo de Alexandria refutou os falsos ensinos do Nestorianismo.
 
Eutiquianismo

Também conhecida por Monofisismo, esta concepção de Cristo, formulada por Eutiques (ou Êutico, 378-454 d.C.), que fora líder de um mosteiro em Constantinopla. O Eutiquianismo ensinava que a natureza divina de Jesus havia absorvido a natureza humana, gerando conseqüentemente um ser com uma terceira natureza. Esta doutrina é preocupante pois anula Cristo como verdadeiro Deus e como verdadeiro homem, o único que pode nos trazer salvação.
 
Este falso ensino foi refutado em 451 no Concílio de Calcedônia. Neste concílio reuniram-se 600 bispos, que pelo debate contra o Eutiquianismo formularam uma confissão de fé que elucidou a humanidade e a divindade de Jesus Cristo. Esta confissão cristológica permeia a crença das igrejas Orientais Ortodoxas, Católico Romana e as igrejas oriundas da Reforma Protestante, salvo as correntes pseudocristãs que durante a história trouxeram falsos ensinos que perverteram a cristologia ortodoxa.

Devido a importância que a confissão formulada no Concílio de Calcedônia possui, é muito importante citar a mesma na íntegra. Esta confissão também é conhecida como Definição de Calcedônia:

“Portanto, conforme os santos pais, todos nós, de comum acordo, ensinamos os homens a reconhecer um e o mesmo Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, totalmente completo na divindade e completo em humanidade,
verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem, que consiste também de uma alma racional e um corpo; da mesma substância (homoousios) com o Pai no que concerne à sua divindade e ao mesmo tempo de uma substância conosco, concernente à sua humanidade; semelhante a nós em todos os aspectos, exceto no pecado; concernente à sua divindade, gerado do Pai antes das eras, ainda que também gerado como homem, por nós e por nossa salvação, da virgem Maria; um e o mesmo Cristo, Filho, Senhor, Unigênito, reconhecido em duas naturezas, sem confusão, sem mudança, sem divisão, sem separação; a distinação das naturezas de maneira alguma anula-se pela união; mas, pelo contrário, as características de cada natureza são preservadas e reunidas, para formar uma pessoa e substância [hypostasis], mas não partidas ou separadas em duas pessoas, mas um e o mesmo Filho e Deus Unigênito, o Verbo, Senhor Jesus Cristo; assim como os profetas dos tempos antigos falaram dele e o próprio Senhor Jesus Cristo nos ensinou e o credo dos pais foi transmitido para nós.”
 Ainda existem muitos outros grupos que abordaremos no decorrer deste estudo, todos tentam recriar a Cristo fora dos padrões bíblicos. Todos tentam apresentar um cristo alternativo, diferente do nosso Salvador. Todos tem um objetivo comum: provar que Jesus não é Deus, ou o Filho de Deus, ou o Verbo que se fez carne (Is. 9:6; Jo. 1:1-5).
 

 

 
II Parte

 
"O 'jesus' dessas seitas apontam para
vários caminhos, menos para o da salvação"
Nesta segunda parte de nosso estudo sobre as heresias históricas, além das heresias históricas que apresentamos, também abordaremos algumas seitas, que apesar de não serem tão antigas, contêm elementos das heresias históricas, tais como:

  • Rosa-Cruz;
  • Testemunhas de Jeová;
  • Kardecismo;
  • Mormonismo;
  • Seicho-No-Ie e Movimento Nova Era (New Age).
Apesar de vivermos em outro tempo, em uma época totalmente diferente da que viveram os cristãos do passado que tiveram que lutar contra a apostasia de sua época, ainda hoje temos que fazer o mesmo que nossos irmãos do passado para que possamos evitar trilhar caminhos tão obscuros quanto àqueles que se desviaram da sã doutrina e por fim criaram ensinos tão estranhos à Bíblia quanto dignos de reprovação quando analisados à luz da mesma. Não é muito raro ver pessoas se apostando da genuína vida cristã para ingressar em seitas que negam a Jesus Cristo, o nosso Salvador. Assim a Bíblia nos adverte: "Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios..."  (I Timóteo 4:1).
 
A cada dia que passa, podemos ver novos líderes, novos grupos e seitas que se auto-declaram portadores de uma nova revelação sobre um 'jesus' diferente do revelado nas Escrituras, ou então um novo 'jesus' que teria vindo para cumprir o que o Jesus Verdadeiro não pode cumprir. Isso é exatamente uma doutrina de demônios. O 'jesus' dessas seitas aponta para vários caminhos, menos para o da Salvação. Os grupos que se manifestam contra a sã doutrina, são muito criativos quando inventam um novo 'jesus', o seu intuito é criar um 'jesus' que atenda às suas necessidades doutrinárias, que se encaixe bem dentro de seus ensinos. Geralmente, esses grupos tem algo em comum, ir contra o ensino bíblico de que Jesus não é o Deus Eterno, Deus Filho, O Verbo que se fez carne (Is. 9:6; Jo. 1:1-5). Quanto a essas negações, já vimos na primeira parte de nosso estudo. A seguir, apresentaremos outras seis seitas que, apesar de não serem tão antigas, contêm elementos de heresias antigas que apresentam um 'jesus' alternativo:
 
Amorc – Rosacruz

 
"Creem que Jesus foi apenas uma espécie
de receptor do cristo cósmico"
Para os adeptos dos ensinos da AMORC – Antiga e Mística Ordem Rosae Crucis, a pessoa de Jesus não recebe muito crédito. Creem que Jesus de Nazaré foi apenas uma espécie de receptor do espírito de Cristo, o Cristo Cósmico. Jesus foi um mero mestre, que não morreu na cruz, não concedeu perdão aos pecados, não salvou a humanidade de seus delitos e, conseqüentemente, não é Deus. Tudo isso satisfaz o gosto das seitas ocultistas, que pregam que Jesus foi mais um iluminado que passou pela terra para apenas nos ensinar preceitos morais.
 
 
 
 
Testemunhas de Jeová

 
"Creem que Jesus é um deus inferior"
A Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados – STV – nome oficial do grupo, criou (ou recriou) um Jesus diferente. A Cristologia da STV está baseada na heresia de Ário (Arianismo), explicada anteriormente. Creem que Jesus é um deus inferior, e tentam provar isto através de suas variadas literaturas. Chegaram ao ponto de criar sua própria Bíblia (Tradução do Novo Mundo – TNM), com absurdas perversões do texto original, alterando, por exemplo, João 1:1, onde se lê, na TNM que a “Palavra era [um] deus”. Com isso, negam a divindade de Cristo, e além disso, afirmam que Jesus foi criado, que morreu numa estaca de tortura (não na cruz) e que antes vir à terra era o arcanjo Miguel. Negam abertamente que Jesus possua os atributos divinos e que ele tenha afirmado ser Deus. Um estudo detalhado em manuais de Heresiologia, demonstrará as diversas incoerências e contradições da STV. (Para saber mais sobre a STV, clique aqui)
 
Espiritismo Kardecista

 
"Não consideram a Bíblia como
a inerrante Palavra de Deus"
Os espíritas também negam a divindade de Jesus. Para Allan Kardec, fundador do espiritismo (ou decodificador, como alegam os espíritas), Jesus era um simples ser humano que não afirmou ser Deus. A crença do espiritismo está baseada nos escritos de Kardec, basicamente “O Livro dos Espíritos” e “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, já que não consideram a Bíblia como a inerrante Palavra de Deus, utilizando-a de forma esporádica e distorcida. No entendimento deste grupo, Jesus era apenas um espírito puro enviado por Deus para levar a humanidade à evolução. Negam a ressurreição corporal do Senhor e afirmam que os milagres são fenômenos mediúnicos. Como creem na reencarnação, não aceitam o sacrifício de Jesus na cruz para remissão dos pecados, já que, através da reencarnação, a humanidade está “em evolução”.
 
Mormonismo

 
"Acreditam que Jesus é irmão de
Lúcifer"
O Jesus da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, nome oficial da igreja dos Mórmons, é um falso Cristo criado por Joseph Smith, fundador do mormonismo, e pelos presidentes que o sucederam, bem como pelos profetas e apóstolos que continuaram o trabalho de desenvolvimento do grupo. Este Jesus não foi gerado pelo Espírito Santo, mas foi concebido através de relações sexuais entre Elohim (Deus Pai) e Maria. Jesus foi casado, e não apenas com uma mulher, pois na crença mórmon Ele era polígamo. Jesus é apenas o mais velho dos irmãos dos homens, além de ser também irmão de Lúcifer. Os ensinos mórmons são tão blasfemos quanto de qualquer outra seita que não crê no verdadeiro Jesus. Existem ainda muitos outros elementos dentro da história dos Mórmons que foge ao conhecimento da maioria das pessoas, por isso são confundidos com cristãos verdadeiros. (Para saber mais sobre os Mórmons, clique aqui)
 
Seicho-No-Ie

 
"Os sofrimentos humanos não
passam de ilusão"
Jesus não tem muita importância para os adeptos desta seita. Masaharu Taniguchi, fundador do movimento, é mais citado nos ensinamentos do grupo que Jesus. No entendimento da Seicho-No-Ie, o pecado, o mal, as doenças, a pobreza e toda e qualquer moléstia que o ser humano possa sofrer, não passa de ilusão produzida na mente, e pela mente o ser humano pode mudar sua realidade, através de pensamentos positivos. Como negam a realidade do pecado e do sofrimento, rejeitam o sacrifício realizado por Jesus, e como não poderia deixar de ser, também negam a divindade de Jesus.
 
 

Movimento Nova Era

 
"O MNE acredita que Jesus foi
apenas um mestre iluminado"
Quanto ao MNE, talvez poderíamos dizer que dispensam muitos comentários, pois é um dos grupos mais falados e combatidos dentro da esfera da heresiologia. Só não podemos deixar de ficar atentos a eles, pois tem se infiltrado dentro das igrejas cristãs com seus ensinos e seduzido a muitos com seus ensinos sobre um 'jesus' falso. Os adeptos do Movimento Nova Era acreditam que Jesus foi apenas um mestre iluminado que inaugurou a “Era de Peixes”, que dura de 4 d.C. até 2146 d.C., quando virá a “Era de Aquarius”. Os adeptos deste movimento, que não possui um ponto de referencia pois é composto pelos mais variados círculos ocultistas, lançam sua fé em toda sorte de métodos de adivinhação, esoterismo e feitiçaria, deixando o cristianismo de lado, já que o mesmo está morrendo com o fim da Era de Peixes. Jesus não é Deus para os adeptos da Nova Era, sendo considerado com mero mestre moralista, um iluminado, assim como Buda, Confúcio ou outro guru. Para o MNE Jesus se “vestiu com o Cristo Cósmico”, para então fundar um padrão moral que está se tornando obsoleto com o advento da Era de Aquarius.(Para saber mais sobre o MNE, clique aqui)
 
Através desta pequena amostra, é possível verificar que existem diversos tipos de 'jesus' a disposição. Em qual Jesus você tem crido? No 'jesus' destes grupos que mencionamos? No Jesus de tantos outros grupos que perverteram o Evangelho por interesse próprio? Ou no Jesus da Bíblia, o Salvador Eterno? A escolha é sua.
 
 
Bibliografia:
WERONKA, João Rodrigo. Apologia da Divindade de Cristo. 1ª Ed. São José dos Pinhais: NAPEC, 2011.



Criar um Site Grátis Incrível | Criar uma Loja online Grátis | Sites Grátis | Free Websites | Wordpress e Prestashop Grátis